Monthly Archives: outubro 2013

“Drink & Drama II”: Absinto

Entre 17 e 23 de outubro de 2013, o Espaço Ernani Arte e Cultura realizou o “Drink & Drama II”, evento que reuniu “diversos artistas para uma exposição coletiva de pinturas sobre variadas situações em que bebidas e ações humanas se mesclam nos mais variados contextos” (mais informações: clique aqui)

Recebi o convite de Horácio Ernani para participar do evento e, seguindo o tema, enviei um auto-retrato pintado em 2002. A pertinência temática está apenas nas circunstâncias em que o trabalho foi criado: eu estava completamente embriagado (é, coloquei em negrito e itálico, pra deixar claro que a coisa foi séria) com absinto – uma experiência realmente fascinante.

Auto-retrato (sob efeito de absinto) - OST - 120x80cm - 2002

Auto-retrato (sob efeito de absinto) – OST – 120x80cm – 2002

 

Não por acaso, no convite do evento no facebook havia um texto de Baudelaire (entusiasta da fada verde, como quase todos os bons poetas e artistas da época) em que diz: “Você tem que estar sempre bêbado. Esta é a questão. É preciso intoxicar-se implacavelmente. Mas de quê? Vinho, poesia ou virtude, como quiser. Mas ser bêbado“. Foi mais ou menos por aí: a embriaguez nos permite que nos vejamos como somos ou como sonhamos ser?

A cor, os efeitos, a magia e a polêmica que envolvem o absinto inspiraram vários artistas, e serviram de tema para pinturas magníficas (há um texto interessante na “Revista Adega” – clique aqui), mas como seria criar sob efeito do absinto? Bom, a resposta ficou registrada no auto-retrato de 2002: não sei se é apenas álcool; talvez, como disse Baudelaire, tenha havido também embriaguez de poesia e virtude.

 

 

 

 

 

 

Share This:

“Black Bloc, White Bloc” no Atelier Jung

O convívio criativo é um dos prazeres que a arte proporciona: quando dois ou mais artistas se encontram para trocar experiências, idéias, e deixam fluir a criatividade sem nenhum compromisso ou propósito específico, acontecem momentos lúdicos, mágicos e libertadores.
Tenho a alegria de usufruir desses momentos quando visito o atelier do amigo Wladimyr Jung: seu local de trabalho está sempre aberto aos sábados, quando se pode apreciar seu processo criativo, e conviver com a arte em seu ambiente mais autêntico (isso significa, também, e principalmente, muito cheiro de tinta, e o risco certo de sair com a roupa manchada de óleo, acrílica, ou algum outro “novo elemento” que nasce de suas experiências de um verdadeiro alquimista das cores).

20131018-042610.jpg
Vai daí então que das conversas sobre os manifestos de 2013, dos comentários sobre as pilhas de panos usados nas pinturas, e a inusitada presença de outros objetos no atelier (sim, artista de verdade vê em tudo “alguma coisa que um dia pode virar arte”, e tem a mania de recolher e guardar para usar “quando for a hora certa”), surge a idéia: “vamos fazer uns Black Blocs?”
Juntam-se cabeças de isopor, panos manchados de tinta, objetos aleatórios e – pronto! – lá estão os “manifestantes-revolucionários arquetípicos”: um sonho de que um dia a arte, e não a violência, traga o discurso certo, as mudanças necessárias, e a paz verdadeira.
E, como era dia da criança (12 de outubro), ficou a idéia de que os “manifestantes do futuro” – os “Baby Blocs”, mereciam uma foto no colo do “titio-fugindo-do-gás-lacrimogêneo”, no melhor estilo “salvem nossas crianças”!

20131018-042902.jpg
Brincadeira de adulto, alegria de crianças, recado de artista, diversão de loucos – mas com um significado profundo: há boa arte nos diálogos sem palavras (e, por isso, sinceros).

P.S. No dia 12 de outubro eu comemorei também meu aniversário – e são presentes assim que me comovem. Obrigado, Jung!

Share This: